Bem vindos.Obrigado pela visita. Benvenuti. Grazie per la visita. Willkommem.Dunke fur lhren besuch.Bienvenido. Gracias por su visita. Welcome.Thanks for visiting. Bienvenue. Merci de votre visite.


domingo, 17 de abril de 2016

Aprendendo o meu lugar

             Orra essa faz miliano e veio em minha memória apenas agora. Ainda na infância, minha coroa conseguiu me matricular em uma escola pública central. Onde a maioria do período da manha era filho da burguesia, do morro até lá dava uns três quilômetros na sola. E criança tem aquela inocência de não entender muito bem o mundo dos adultos, principalmente as maldades.
            Tinha um colega de sala que era muito mais rico que os demais. Um dia me convidou pra colar na sua casa, ou melhor, seu castelo. De bobeira em um sabadão colei no casarão fincado no centro da cidade, naquele naipe: Chinelo havaianas, bermudinha surrada e camisa esfolada ganhada da patroa tia. Ali conheci um mundo distante do meu, dezenas de cômodos a se perder de vista. Todos, mas todos os brinquedos que eu via nas propagandas da TV, o Júlio era gente fina, também não entendia o egoísmo dos adultos.
          Ele deixava brincar com todos os brinquedos e ali passávamos horas criando batalhas imaginárias que nem percebíamos o tempo passar. Recordo de levar um matchbox – aqueles carrinhos de metal gringos que vinha em uma caixinha de papel- todo zuado, porém mais ligeiro que os centenas da coleção dele. Rolava aquela desconfiança de que eu poderia ser mão leve. E antes de guardarmos, os brinquedos eram severamente conferidos.  - Crianças venham tomar café! A empregada me viu colocar um carrinho no bolso e logo caguetou pra patroa. – Menino me deixa ver o que você tem no bolso? Se você quiser algo é só pedir, é feio fazer isso. Logo desandei a chorar sem parar, sinistro com a mão no bolso, sem soltar uma palavra. – Mamãe me deixa explicar: Ele não roubou nada, o que esta no bolso dele é o carrinho mais veloz de todos, é dele e ele me empresta para brincar. 


            Putz ai ficou aquele climão tenso e constrangedor demais. – Come mais, olha tem geleia, suco, torrada, bolo, refrigerante, doce, pipoca. – Não quero nada! Quero ir embora. – Então vamos jogar videogame? Andar de Bis’creta? Assistir vídeo cassete? Cai na real que ali não era o meu lugar, que não deveria mais voltar. Ofereceram até carona de volta, talvez para amenizar a mancada e tirar o peso da consciência por desconfiar da inocência de uma pobre criança.
            - Vou nessa, agenti si vê na escola. Deu’zica e aqui não colo mais! Fica com o carrinho pra você. Lá no morro nóis joga bola com golzinho de chinelo, taco, balança caixão, peão, pique esconde, bolinha de gude, bate figurinha, esconde-esconde, mãe da rua, telefone sem fio, passa anel, pega-pega, soltar pipa, peteca, pula sela, pular corda, queimada mais uma pá de brincadeira. Fica de barriga vazia, mas nenhuma tia dá geral pensando que nóis é ladrão. Falô ai, Valeu.

Joey é escritor autodidata.

sábado, 2 de abril de 2016

Conto nada erótico periférico.

No boteco tomando uma breja barata e vendo futebol na TV. Percebe ela passar trajada, indo ao culto. A troca de olhares descompromissado, porém carregado de vontades.
            - Te encontro depois das oito. O sim veio com um sorriso de canto de boca.
            Não existe a palavra amor e isento de sentimento ou pudor é palavrão atrelado a tesão. Não havia colchão, mas sim papelão, o travesseiro era saco de cimento. Apenas sexo sem sentimento, nenhum dos dois ciumentos.
            Deitados sob o concreto fluía o amor liquido. Distante de qualquer relação sólida, os orgasmos desmancharam-se no ar. O corpo nu a luz da lua era o colírio para afastar o pó do cimento a cada movimento.
            O silencio quebrado com sussurros e gemidos, porém nenhuma promessa de amor eterno, namoro, noivado ou casamento. Medidas incalculáveis de carinho, também gemidos reprimidos. Mordidas, chupadas, roupas intimas rasgadas, beijos molhados, unhadas, puxões de cabelo e tapas. Quase um vale tudo, o oferecer o prazer a alguém sem olhar quem.
            A mistura perfeita para a satisfação sexual e quem sabe espantar a solidão. A personificação do sexo descapitalizado, sem custos, apenas energia física e vontade, excitação e sedução. O carnal quase animalesco, onde ambos saem de si e se entregam ao outro alheio.
            Eis o sexo inseguro, atrás do muro. Ela confia na tabelinha e ele no coito. O encontro às oito onde as ultimas palavras trocadas foram:
            - Vamos! Você mora longe pra caralho, tenho de ti levar e voltar a pé. E amanha vou trabalhar cedo.
            - Vai tomar no seu cú, seu porra. Olha a minha roupa toda suja, o que vão pensar? O que vou dizer lá em casa?
            Quarta que vem tem futebol na TV e culto na igreja. E no mesmo horário vão encontrar-se, para a construção vão voltar e reciprocamente as vontades carnais saciar!

Joey é escritor autodidata.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Zanga do conservatório

          De rolê com um mano que acabara de conhecer, voltando de uma festa veio a acontecer. Enquadrado pela patrulha rodoviária, pacoteira em cima, rodou como tráfico e assim iniciou-se a sina. Foi assim de bobeira que entrou para o conservatório musical na cela insalubre que dividia com diversos detentos. Conviveu com a diversidade criminal, escreveu uma carta para a mãe, mas a primeira visita foi do pai. Uma cota sem ver a família e trombar os parças,  contato só por cartas, isolado, trancado em um túmulo de concreto ao céu aberto.
         Queria realmente mudar, não mofar, de lá se jogar e se possível nunca mais voltar. A rotina interminável de um lugar onde as horas pareciam rastejar, de manhã depois de pagar o banho gelado, um cliver acesso com o bic emprestado, seguido de um chá de urubu requentado, rango azedo era reciclado, uma sesta pra desbaratinar e como chinfra o futebol, finalizando um trago no fininho do índio para relaxar.
         A mãe dizia que o filho foi pras”oropa estudar e trabalhar, na Alemanha foi morar e que iria demorar para voltar. Por três anos passou mó veneno na tranca, não foi fácil mas tirou de letra, estudou o código penal e de lá saiu mestre em violão clássico. Tocando Bach, Beethoven, Villa-Lobos, João Pernambuco. Hoje toca em uma orquestra de violões.
          Sinistro por não descolar trampo devido à capivara que constava ex-presidiário. Como muitos, dá os corres com aulas particulares de violão e guitarra na quebrada, poderia ter saído pós-graduado no crime. Porém escolheu conhecer-se e a vida recomeçar, distante de lá. Para onde nem em sonho quer mais voltar.
         Pagou o que devia e segue a vida distante de tretas. Até hoje luta para não se entregar aos vícios das esquinas. Miliano que não trombo o Zanga, saudades parça das antigas. Com ele muito aprendi, principalmente que a redenção é possível. Pena que a sociedade não tivera a oportunidade de conhecê-lo e quem sabe isso também aprender.



         Joey é escritor autodidata.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Ícaro em chamas!

Com mãe, irmã e pai encarcerados. Seu pai não era tão criativo e habilidoso, tanto que agora vivia em meio a labirintos de grades. Bem cedo Ícaro criou asas para o crime e com 12 anos de idade saiu do orfanado e caiu direto na Fundação Casa.  Quando a liberdade cantou bateu asas de lá e viemos a nos encontrar.
            Um dia em uma oficina de arte para ressocialização de menores em liberdade assistida, estávamos transformando materiais reciclados em instrumentos musicais. Um grupo de seis pessoas, eis que surge Ícaro com menos de um metro e sessenta, franzino e de uma arrogância e prepotência sem limites.
            - Vô fazer nada nessa porra. Quero ver quem vai me obrigar!
            Estava bicudo de farinha e pagando de herói para se auto afirmar aos demais, só não esperava que os moleques conhecessem sua caminhada, assim como eu tinha a capivara de todos eles. – Então ninguém tá te obrigando a fazer nada, muito menos estar aqui. Se não tá a fim de pagar o que deve. Levanta o pano de bunda e sai vazado. Até porque tô aqui pra livrar a cara de vocês e defender o meu e não sustentar conversinha torta.
            - Você sabe o que um menor pode fazer com este estilete na mão tio? Tem amor na vida não?
            - Então imagina um pirógrafo queimando, furando seu tímpano. Vai cair e sangrar até a morte. Justifico legitima defesa, não vai ter ninguém chorando no velório.
             Após rizadas intermináveis um dos moleques lançaram: - Aê encosta no sapatinho, quer chegar chegando na banca. O Jhow tá livrando a nossa cara morô. Vem querendo tumultuar, escutou o que não quer agora fica em choque e chora.
            Pagava de ladrão com treze anos de idade, que tinha armas e rodou por 157. Mas a real que agrediu menor e funcionários do orfanado e depois rodou de aviãozinho na biqueira. Até no crime a mentira tem pernas curtas e tava pagando de comédia ali. Ameaçou jogar cadeiras e tumultuar a oficina, chamando atenção dos funcionários. Até que Caim: - Aê menor segura o reggae! Tá pensando que isso aqui é o que? Não conhece ninguém e vem querer crescer! Baixa a bola ou te passamos lá fora.
            E assim Ícaro derramando lágrimas partiu em chamas. Morrendo de vontade de me matar. E a oficina continuei a ministrar. Aprendi na prática o ditado popular português. “Não se dá água a cavalo que não tem sede”. Assim como não se ensina quem não quer aprender.





Joey é escritor Autodidata

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Aos filhos

A filha do agricultor
Hoje tem aula com doutor
O filho do marceneiro
Vai ser formar em engenharia
E matar a família de alegria
O filho do caminhoneiro
Também vai se tornar engenheiro
A neta criada pela avó
Passou em primeiro lugar na UFSCAR
O filho da doméstica solteira
Passou em medicina
Bateu assas e foi pro México.
O filho da enfermeira se tornou professor
A ex cozinheira não desistia
Hoje e formada em pedagogia
Quanto filho de trabalhador
Se formando doutor
Quantas aulas deixaram de matar!
 Se mataram de estudar
Em cursinho popular
 E tiveram que provar
Que universidade é lugar
Da classe popular.                                                


Joey é escritor autodidata

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Cadê o rango dos menor?

Ocorria uma onda de assaltos à mão armada que assolava uma cidade interiorana há semanas. Empresários, lojistas e a população estavam em pânico, este anunciado em jornais, televisão, rádio e internet.
            - Eu e meu primo – cheio de B.Os pra resolver – nóis tava tirando um lazer no corguinho no meio da cana. Sabe refrescar e fumar unzinho. Chupando uma cana de leve e do nada aparece os cana.
            - Mão na cabeça os dois. Nem pensa em correr que é flagrante dos brabo!
            Acompanhando os cana estava uma suposta vítima, um senhorzinho caduco que pouco enxergava e ouvia menos ainda. E assim meteram o grampo em Leléo e seu primo arrasta B.O. Até uma arma apareceu para formalizar o flagrante, e com reconhecimento da vítima fora consumado que dos 16 para os 17 anos o muleke da quebrada teria um novo endereço distante da casa cheio de reciclados na porta.
            - Cê é loko jão! Logo me mandaram pra um CDP de menor em uma cidade vizinha, três dias esperando vaga pra ser transferido. Demorou pra caralho pra sair porque a viatura tava zuada, quando saiu foi à milhão, cara corria mais que piloto de fuga e sem contar que não freava em uma lombada. Pra fuder o resto, no meio do caminho furou dois pneus, pô logo dois, puta azar da porra. Dois pneus e duas horas no sol em frente à borracharia do posto de gasolina.
            Ao chegar à Fundação Casa de Osasco a 200 km de sua goma, já tinha passado o horário do jantar e as luzes já estavam apagadas. Dormiu com fome, mas perto do medo, solidão, desamparo, insegurança e uma infinidade de sentimentos que se aproximava nos próximos meses, a fome não era nada.
            - Lá era cabeça baixa. Sim Sinhô! E Pouco não Sinhô! Se olhava para cima era soco na cara, usar cueca azul coletiva a Corujinha, pegar pereba na bunda e o remédio era talco de pé jogado pelos carcereiros. Até pra bater uma tinha de pedir licença pros parsas de cela, para demorar no banheiro. Falar com a família só por telefone uma vez por semana e cinco minutos. Cê é loko quero isso mais não jão!
            No CREAS Leléo passava por psicóloga, assistente social e participava de oficinas culturais duas vezes por semana, como parte do acompanhamento do processo de liberdade assistida.
            - Agora voltei a estudar. Nuss cê fala que saiu da FEBEM, chove de novinha em cima.
            Leléo das novinha colava nas oficinas com uma barra forte que o pai usava para recolher reciclados, a chamava de hornet. E nas longas tardes quentes de conversas intermináveis quando o café tardava, ele logo gritava.
            - Oh cadê o rango dos menor?
            Assim Leléo das novinha engravidara a primeira que encontrara ao sair da fundação casa. Outro dia nos encontramos por acaso em um destes botecos de copo sujo e cerveja gelada.

            - E ae Jhow locão! Como tá a caminhada? Eu paguei o que devia, nasceu meu neguinho e tô trampando de pintor. Juntando uma grana para comprar um fuscão. Vou nessa amanha tenho de acordar cedo.                                                                                                          
                                                                                                                                                                                                                                                                                             Joey é escritor autodidata.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Socorro!


            Por favor, me ajudem a entender. É uma súplica da dúvida, pois ainda insisto em indagar. Durante a semana é dieta “gourmet fit” e aos finais de semana gasta o valor do salário da empregada na pizzaria. Cultua o corpo e atrofia a mente. Vai de carro a academia, pedalar na bicicleta ergométrica. Na volta insulta o tiozinho de barra forte que esta voltando do trabalho cansado da vida em seu único meio de transporte.
            Paga um salário de miséria para a Dona Maria lavar, passar, cozinhar, faxinar, e cuidar dos filhos. O mesmo que investe para praticar “Cross training” para perder calorias e moldar o corpo e se encaixar nos padrões impostos pela ditadura da beleza.
            A última é reclamar das mudanças nas leis trabalhistas de empregadas domésticas. Acha o cúmulo do absurdo ter de pagar fundo de garantia e registro em carteira de trabalho. Porém frauda o imposto de renda apresentando atestado médico falso.
            O filho menor da Dona Maria caiu na biqueira e agora esta na Fundação Casa, em uma cidade muito distante. Enquanto a liberdade não cantar ele não vai receber visita da mãe. Pois se faltar ao trabalho é demissão na certa. Quando a liberdade cantar para o Junior ele vai sair sem saber ler e escrever, mas pós-graduado no crime. Pois esta instituição não ressocializa e sim criminaliza.
            Sorte da madame, patroa da Dona Maria. Que o Junior só não almeja tomar de assalto o casarão. Por que é dali que sai o sustento do barraco. Pois se encanar em tacar o terror e fazer a fita. Não há guarita com segurança, alambrado, cerca elétrica e circuito interno que segure o veneno que borbulha nas veias de cada menino que corre nos becos e vielas deste país.



Joey é escritor autodidata.